>
Comércio na areia
  • João, 10 anos de praia
    João, 10 anos de praia
  • Benedito e Danilo, 6 anos de praia
    Benedito e Danilo, 6 anos de praia
  • Carlos, 2 anos de praia
    Carlos, 2 anos de praia
  • Roberto, 5 anos de praia
    Roberto, 5 anos de praia
  • Gilberto, 8 anos de praia
    Gilberto, 8 anos de praia
  • Juan, 8 anos de praia
    Juan, 8 anos de praia

Comércio na areia

Os bordões, os produtos, a simpatia …
Enquanto a maioria das pessoas vai às praias apenas para contemplar o mar, cultuar o corpo ou se refrescar, eles trabalham. E trabalham com o que podem, vendendo de tudo: comidas, vestimentas, acessórios, bebidas, sorrisos.
Variedade à gosto do freguês.

Num vai e vem incessante pelas areias, eles vão em busca do sustento em meio a bordões e gritos, gírias e rimas, sol e suor.
A praia, além do seu local de trabalho, é o seu “carpe diem”, seu “fugere urbem”, afinal: “a gente também precisa de diversão, né moça?”.

São seres humanos, que não só querem, como precisam da sua atenção, da sua fome e sede pra sobreviver. E, como você, têm dúvidas, frustrações, decepções e mágoas.
E o mais importante, têm nome: Benedito, João, Juan, Beatriz..
São eles mesmos, o do côco, o do picolé, a da água.
São eles: os comerciantes da areia.

ynem_26042011_04

Gabriela Cirqueira

gabrielac_15042011_04

Yne Manuella Cardoso

Comentários