>
Qualquer semelhança é mera coincidência
  • O Pecado Mora ao Lado
    O Pecado Mora ao Lado
  • Ô, Mary Jane, deixa eu ser seu homem-aranha
    Ô, Mary Jane, deixa eu ser seu homem-aranha
  • Paul is (almost) dead
    Paul is (almost) dead
  • Tecle "M" para Matar
    Tecle "M" para Matar
  • Breakfast at Tiffany's
    Breakfast at Tiffany's
  • A Primeira Noite de um Homem
    A Primeira Noite de um Homem

Qualquer semelhança é mera coincidência

Em que se consiste uma coincidência? Semioticamente falando, ícones e símbolos podem nos ajudar a reconhecer cenas – e para reconhecê-las e/ou identificá-las não é necessária a sua fiel reprodução, mas a presença de elementos chaves que nos remetam, automaticamente, a algo.

Diversas conotações podem passar despercebidas em imagens já conhecidas, mas não é tão necessário mudar a paisagem quando se pode ter um novo olhar sobre o que já foi visto. Não buscamos novas paisagens, definitivamente – buscamos novos ângulos e leituras do que pode ser previamente óbvio.

Na releitura do filme “Disque ‘M’ para Matar”, observamos a cena clássica ambientada na contemporaneidade, dispondo de e referindo-se às tecnologias avançadas. Já na cena dos Beatles, é possível brincar com uma Abbey Road um tanto quanto veloz – que ninguém imaginaria ser, um dia, palco de um atropelamento.

Cenas do cinema e fotografias poderiam ser facilmente reproduzidas em nosso cotidiano, nos levando a um antigo questionamento: afinal de contas, quem imita quem? A arte imita a vida ou vice-versa?

Lara_24092010_01

Bruna Cook

Bruna_24092010_02

Lara Carvalho

Comentários