>
Interação Urbano/Indígena
  • Vestir-se de significado
    Vestir-se de significado
  • Ao invés de reclamar da natureza, ouví-la
    Ao invés de reclamar da natureza, ouví-la
  • Índio hoje: somar o chocalho ao playlist.
    Índio hoje: somar o chocalho ao playlist.
  • Equilíbrio de saberes que encurtam distâncias.
    Equilíbrio de saberes que encurtam distâncias.
  • Lymbo: ser doce, não bobo
    Lymbo: ser doce, não bobo
  • Lymbo: "Aprendemos a caçar no supermercado"
    Lymbo: "Aprendemos a caçar no supermercado"

Interação Urbano/Indígena

Bermuda comum, português coloquial, aparelho de som e até televisão; habilidade para fazer fogueira, tocar flautas e apitos, pintar o corpo. Hábitos distintos, senão opostos, característicos de povos diferentes, mas que fazem parte da realidade dos Kariri-Xocó.

Lymbo, um dos líderes, é o perfeito exemplo da integração entre o “ser urbano” e o “ser índio”. Enxergar em uma tempestade não a destruição, mas sim a renovação da mata. Enxergar a música mais do que como entretenimento, mas também como uma parte de si.

Para o índio Kariri-Xocó, estar pintado é estar vestido e tirar a camisa é sinal de respeito pela própria cultura. E por estar assim, seu acesso a muitos ambientes é dificultado; percebe-se, então, que a interação indígena/urbana ainda não é espontânea, sobretudo por resistência da lógica “civilizada” que apenas aceita a imagem de um índio folclórico, que não dialoga com a nossa própria realidade.

As diferenças culturais não precisam criar pontos de conflito, ao contrário, podem promover crescimento mútuo, já que o aprendizado é uma via de mão dupla, como diz o outro líder da tribo, Wakay: “educar e ser educados, entender os outros e fazer com que sejam entendidos, sem deixar de ser índio.”

luana_23092010_01

Daniele Rodrigues

daniele_23092010_10

Luana Oliveira

Comentários