>
A vila… Numa vida: O Cais
  • Mar de Alegria
    Mar de Alegria
  • D. Maria
    D. Maria
  • Pedra Preta
    Pedra Preta
  • Curta Correnteza
    Curta Correnteza
  • Peças e Pescas
    Peças e Pescas
  • Cada barco, uma história
    Cada barco, uma história

A vila… Numa vida: O Cais

O limite, o isolamento de algumas existências pode, às vezes, ser construído por uma personalidade intensa ou uma sensibilidade educada. Em outras, a própria localidade, suas características naturais ou seus artifícios arquitetônicos colaboram em uma introspecção.

Se o Cais limita a localidade, ao mesmo tempo se oferece para a reflexão: um cair de tarde onde o som das águas que nele se debatem, nina os pensamentos que ultrapassam as arestas, mirando o infinito.
Se as crianças a beira do cais são iguais a qualquer outra, no Cais são guerreiros testando seus limites numa escalada, ou numa perigosa visita ao Quebra-bunda.

E o que sobra? A maré que não se pode conter. Que nos força a perceber que o Cais só divide o impossível do permitido, e, ao fazê-lo diz do hoje… só do hoje. “A vida tá mais pra frente… Na Maré”, como nas palavras de um velho morador. Os moradores são cientes da beleza que desfrutam e temem: “Sempre soube, desde pequena, que quando o povo descobrisse esse lugar, iam querer tirar a gente daqui.” Calma, Nerita, vocês são como o cais: sustentam as marés da vida.

iasnaia_lima_05
Iasnaia Lima

iasnaia_lima_02
Daniela Aquino

Comentários