>
Pouca Vergonha
  • Não tenha medo não. Vamos ali pro canto.
    Não tenha medo não. Vamos ali pro canto.
  • Literalmente marcado.
    Literalmente marcado.
  • Ah papai, sem sermão! A saia nem tá tão curta assim...
    Ah papai, sem sermão! A saia nem tá tão curta assim...
  • Até a madre quer ser sexy.
    Até a madre quer ser sexy.
  • O que é isso companheiro? O ônibus nem tá lotado.
    O que é isso companheiro? O ônibus nem tá lotado.
  • Espiando
    Espiando

Pouca Vergonha

Uma situação psicológica originada da consciência de desonra, culpa ou ultraje, a vergonha é uma espécie de prisão originada da nossa condição social de existência. A vergonha retrai, impede a relação com as pessoas, inibe a ousadia.

Com inspiração nas pessoas que, definitivamente, não possuem esse senso do ridículo e que não se auto-flagelam por pensamentos e comportamentos que possam lhes causar embaraço, lançamos o ensaio fotográfico Pouca vergonha.

Dançar nu em casa sem ligar para possíveis observadores. Insinuar-se explicitamente à pessoa que se está afim. Assumir o que se sente. Falar o que se quer falar. Realizar seu fetiche. Agir como mais lhe convier sem pensar na recriminação. Queremos concretizar todos esses verbos. O lance aqui é ter ação – liberte-se! Então, deixemos de lado a timidez, preguemos a sem-vergonhice!

Dimas Novaes

Dimas Novais
Thiago Dantas

Thiago Dantas

2007.2

Comentários