>
Nem tudo funciona de verdade
  • O espelho perde a validade
    O espelho perde a validade
  • A vida passa lenta
    A vida passa lenta
  • As cartas erram
    As cartas erram
  • O novo envelhece
    O novo envelhece
  • Manhã indigesta
    Manhã indigesta

Nem tudo funciona de verdade

O tempo passa, as civilizações se transformam e evoluem, mas duas coisas permanecerão imutáveis na história dos homens: o caráter finito de tudo que os cercam, bem como de suas próprias existências; as imperfeições inerentes a cada ser humano, refletidas em muitos de seus atos.

Contudo, a fugacidade das coisas se constitui como tema recorrente do pensamento e das questões humanas, por se deparar o homem com as maiores frustrações inerentes a sua própria existência: a não aceitação, a incapacidade de previsão do futuro; a deterioração de sua espécie e de tudo por ela produzida; e a decorrente consciência de que, portanto, não possui poderes sobrenaturais.

Baseado nisso e inspirado na música “Nem tudo funciona de verdade”, o nosso trabalho busca extrair deste título-tema as mais diversas interpretações, desde a onipresente atuação temporal sobre todos os seres e os objetos, até questões referentes às imperfeições humanas, como a má administração do sistema e a suscetibilidade aos erros.

retrato_juliana.jpg

Juliana Montanha


retrato_veronica.jpg

Verônica Valois

2006.1

.

Comentários